Ciclo de debates: “Arqueologia da performance em Portugal: escavação, história, memória e arquivo” | abril e maio

A Fundação Bienal de Arte de Cerveira dá destaque, em abril e maio, à temática da performance em Portugal, propondo a reflexão com uma mostra e com o ciclo de debates “Arqueologia da performance em Portugal: escavação, história, memória e arquivo”. Verónica Metello (7 de abril), Manoel Barbosa e Vânia Rovisco (14 de abril) e Hélia Marçal (12 de maio) são os oradores convidados. A entrada é livre!

 

 Verónica Metello | 7 de abril (sábado, 16h00)

“Como fazer acontecer. Entre Performance e performatividades, a política dos Encontros”

Nota biográfica: Verónica Metello é licenciada em História da Arte pela Universidade Nova de Lisboa e Mestre em História da Arte Contemporânea pela mesma Universidade. Investigadora do CEIS 20 da Universidade de Coimbra no âmbito do doutoramento em Filosofia. Lecionou na Pós-graduação em Comunicação Cultural da Universidade Católica de Lisboa, na Pós-Graduação ” O estado do Mundo” na Universidade Nova de Lisboa e no Mestrado em Comunicação Visual no IADE. Colaborou com a Direcção-Geral das Artes no Laboratório de Arte Experimental e no Gabinete de Artes Visuais, onde criou a Rede de residências Arte e Ciência. Entre 2004-2206 cocomissariou o Projeto Atlantico de Arte Digital – Acores, Canárias, Madeira. Em 2009 trabalhou na Galeria Graça Brandão. Colaborou com Universidade Aberta /CIAC/UALG e Artech Internacional – Agencia Internacional de arte computacional, onde lançou o projeto “INVitro”, criou o projeto “Tele.Media-Arte” e comissariou o projeto “Presense”. Entre outros projetos foi consultora artística do projeto “Reacting to Time”, “Portugueses na Performance”, participou no projecto “Off-Hinge/Off Center” do MoMa de Varsóvia, comissariou o projeto de performance na Ilha Terceira, Açores, “Novos Espaco-Tempo” e integrou o “Nova Velha Dança” de João dos Santos Martins. Colabora frequentemente com a Companhia João Garcia Miguel, tendo comissariado a grande retrospetiva “How to do Things With Bodies”, 2015, entre outros. Escreveu ensaios para Catarina Dias, Alexandre Connefrey, Vânia Rovisco, Silvestre Pestana entre outros artistas. É Head of Institutional Relations do Projeto Creatives Terminal.

 

 

Manoel Barbosa | 14 de abril (16h00)

“Bienal de Cerveira – Excelente Exemplo em Portugal”

Nota biográfica: Nasceu em 1953, Rio Maior.  Reside e trabalha em Lisboa e temporariamente (desde 2004) em NYC e em Como, Itália.  Desenvolve a sua atividade entre: pintura, performance art, instalação e vídeo art. No início dos anos 1970, foi um dos precursores da performance, instalação e vídeo art em Portugal. Orientou workshops de performance em Brasil, Espanha, França, Irlanda, Itália, Portugal. Apresentou conferências e comunicações sobre arte corporal e performativas em universidades, simpósios, museus, institutos, festivais.  Organizou eventos de artes performativas. Apresentou exposições de pintura, desenho, arte conceptual, instalações, exibições de vídeo art em Portugal e no estrangeiro. No âmbito da performance, destaque para a inclusão do seu trabalho em mostras antológicas em Tokyo, New York City, Toronto, Paris, Milano, Ferrara, València, Bruxelles, Amsterdam, Dublin, London, Praga, San Francisco, Lyon, Cagliari, etc., e na 100 Years of Performance(doc), MoMA/PS1, New York e Garage-Center of Contemporain Art, Moscow. Vasta bibliografia sobre a sua obra.

 

 

Vânia Rovisco | 14 de abril, 16h30

“Reacting to Time, portugueses na performance”

Nota biográfica: Vânia Rovisco, define-se desde 2008 como artista visual performativa, inserindo o corpo na galeria de arte, onde expande o seu trabalho para outros médiuns – instalações ao vivo, luz, vídeo. Entre 2001 e 2007 foi intérprete da coreografa “Meg Stuart/Damaged Goods”. Dá workshops, faz direção de movimento e continua a trabalhar como interprete. Entre 2012 e 2015 colaborou em termos curatoriais com o Museu Arpad Szenes Vieira da Silva. Em 2013 estreou o solo “The Archaic”, “Looking Out”, The Night Knight”, e em 2014 encenou “Silos de carros e estradas giratórias para 10 homens”. Já em 2017 dirigiu a peça de grupo “Equanamidade – Ânimo Inalterável”. É cofundadora de plataforma artística Aktuelle Arquitektur der Kultur –AADK. O seu projeto contínuo “Reacting to Time – portugueses na performance (2014)” lida com o arquivo e transmissão de obras a partir de finais dos anos 60.

 

 

Hélia Marçal | 12 de maio, 16h00

“Conservar a arte da performance: perspectivas dentro e fora do museu”

Nota biográfica: Hélia Marçal (n. 1988, Lisboa) é investigadora e doutoranda na Universidade Nova de Lisboa. Obteve o grau de Mestre em 2012 e desde então tem focado a sua investigação na conservação da arte da performance, atravessando as áreas da teoria da conservação e da patrimonialização, estudos de performance, práticas de patrimonialização na esfera pública e políticas públicas de conservação do património cultural. Tem publicado artigos científicos, tanto em revistas como em atas de conferência, e capítulos de livros sobre estas temáticas. Coeditou o número especial da Revista de História da Arte (Série W) sobre Arte da Performance Portuguesa (em acesso aberto), e o livro “Debater o Intangível” (em preparação, 2018). É, ainda, Assessora de Direção no Instituto de História Contemporânea e Coordenadora do Grupo de Trabalho em Teoria e História da Conservação do ICOM-CC (International Council of Museums – Committee for Conservation).

 

X